Blog do Marcelão

Blog para debate sobre excelência na gestão.

Archive for the ‘Empreendedorismo’ Category

MiniMáxima da Semana

Posted by Marcelão em novembro 19, 2018


“A Sorte Favorece os Ousados” – Frase do Filme “Bohemian Rhapsody” 

Anúncios

Posted in criatividade, Empreendedorismo, Inovação, Uncategorized | Etiquetado: , , , , , , | Leave a Comment »

4 Dicas de “Toró de Palpites”

Posted by Marcelão em novembro 14, 2018


PessoALL,

uma das técnicas muito utilizadas para geração de ideias é o famoso Brainstorming ou, como os mineiros gostam de chamar, “Toró de Palpites”.

O Brainstorming é uma técnica de discussão em grupo que se vale da contribuição espontânea de ideias por parte de todos os participantes, o intuito de resolver um problema ou de conceber um trabalho criativo.

Mas o brainstoming traz consigo alguns problemas que muitas das vezes não geram um resultado satisfatório e alguns artigos tem apontado na direção de aprimorá-lo.

Um dos preceitos originais do brainstorming é que não deve haver julgamento das ideias que as pessoas apresentam para que elas não se sintam inibidas em apresentá-las mantendo um nível de cordialidade entre os participantes. Isso pode funcionar para situações simples, mas em situações onde procuramos criatividade e inovação, esse preceito não funciona, ainda mais se levarmos em consideração que o conflito é faísca para a inovação.

Conectando pessoas

Quando se estimula a cordialidade e se evita o julgamento em uma reunião na qual a criatividade deveria ser o objetivo principal, o resultado que, na maioria das vezes, alcançamos é chegar a um acordo rápido, normalmente em torno de uma ideia medíocre, no sentido de ser uma ideia mediana, em um perigoso processo de groupthinking (pensamento de grupo).

Nesse sentido, li um artigo bem interessante no MIT sobre 4 dicas para obter resultados mais criativos em sessões de brainstoming:

  • Mantenha o grupo pequeno – O brainstorming eficaz não acontece quando muitas pessoas têm as mãos no pote. O especialista em Big Think Bill Burnett , um especialista em design e comportamento de produtos que atua como diretor executivo do programa de design da Universidade de Stanford, compara idéias de brainstorming a um conjunto de jazz de sucesso: ele precisa ser pequeno para ser eficaz.Em “Brainstorming: Sua mente é selvagem o suficiente para fazer um salto conceitual?” Burnett diz:

    “Talvez você possa ter um trio ou um quarteto. Um quinteto, talvez. Passado isso, você não pode tocar jazz. É muito complicado, muitas pessoas … O brainstorming funciona muito bem com muitas ideias e ideias muito diversas, especialmente se você tem uma equipe de jazz realmente boa que pode se desempenhar mutuamente. ”

Nesse caso, não basta ser pequeno, mas sim ter uma diversidade de visões e campos de conhecimento. Nesse sentido, cresce em importância a figura do orquestrador dessa sessão que precisará ter um perfil de um conector de ideias;

  • Abordar o processo a partir de uma perspectiva centrada no ser humano: Basicamente aplicar os conceitos do Design Thinking. O especialista em Big Think e o presidente e CEO da IDEO, Tim Brown, afirma que as pessoas precisam se concentrar na identificação e definição de soluções de maneira a focar no usuário. O que eles querem ou precisam?

Em seu vídeo “Use Design Thinking: Uma Abordagem Alternativa para Resolver os Maiores Problemas do Mundo”, Brown diz que essa abordagem centrada no ser humano ajuda você a identificar e resolver os desafios que as pessoas enfrentam em vez de criar novas soluções e tentar descobrir aplicações.

  • Tente uma abordagem diferente: Ao invés de respostas, procure as perguntas: Já abordei isso em vários posts aqui do blog: Pergunta é inovação, Resposta é manutenção.

 

Enquanto o brainstorming tradicionalmente aborda o processo de ideação como uma solução, outra maneira de abordar isso é tentar gerar perguntas em vez de respostas. Hal Gregersen , especialista em Big Think e diretor executivo do Centro de Liderança do MIT, diz que essa abordagem pode ajudá-lo a se tornar um inovador disruptivo.

Em um artigo recente da Harvard Business Review , Gregersen diz:

“Fazer um brainstorming para perguntas em vez de respostas torna mais fácil empurrar preconceitos cognitivos passados ​​e aventurar-se em territórios inexplorados… A metodologia que desenvolvi é essencialmente um processo para reformular problemas de novas formas valiosas. Ajuda as pessoas a adotarem um hábito mais criativo de pensar e, quando estão procurando avanços, lhes dá uma sensação de controle. Na verdade, há algo que eles podem fazer além de sentar e esperar por um raio do nada. ”

Concentrar-se em perguntas, em vez de respostas, fornece uma lente nova e menos familiar para explorar as questões, disse ele. Com limitações em fornecer respostas e contexto, os participantes são despojados de suas âncoras normais de especialização.

“Para a maioria dos líderes, eles são pagos para responder a perguntas. Eles têm uma resposta automática sobre a resposta, e é dolorosamente doloroso para eles não responderem às perguntas durante este processo de quatro minutos ”, disse Gregersen.

  • Não basta ir embora: Burnett diz que um erro comum que muitos grupos cometem é que eles param o processo de brainstorming quando acabam de gerar ideias. Quando as ideias estão em notas adesivas em uma parede ou quadro branco, elas tiram fotos das anotações e todos voltam ao trabalho. No entanto, a realidade é que eles são apenas parte do caminho durante o processo, quando eles acham que chegaram ao fim.

Em vez disso, diz Burnett, é nesse momento que os grupos devem avaliar as ideias e descobrir o que fazer com as ideias: trata-se de avaliar e organizar as ideias em clusters conceituais, pegar esses clusters e colocá-los em blocos de estrutura e ver o que é viável na realidade.

No vídeo mencionado anteriormente, Burnett diz:

“No final dos meus brainstorms, se você perguntar a alguém o que aconteceu, eles dirão que tivemos 150 ideias. Acontece que eles estavam em cerca de seis categorias diferentes e depois classificamos as principais ideias em cada categoria e temos sete ideias que gostaríamos de construir um protótipo porque achamos que essas sete ideias fazem as perguntas mais interessantes sobre o problema ou as espaço que estamos fazendo … Esse é um brainstorming acionável. ”

Uma ferramenta de Design Thinking que gosto de muito de usar para isso é o diagrama de afinidades que é usada para atribuir sentido a grandes quantidades de informações formando grupos de afinidades, os citados cluesters acima, que ajudam a equipe na compreensão do contexto analisado. Isso ajuda a encontrar sentido dentre os insights coletados e contribuem na definição de diretrizes estratégicas para o projeto.

Melhorar e aprimora os processos de brainstorming dentro das empresas é um requisito essencial para identificação e construção de soluções inovadoras, caso contrário, se não houver a aplicação de técnicas como as descritas acima, vai ser só mais uma caixinha de sugestões dentro da sua empresa.

Mas tenha em mente o seguinte: Em termos de inovação, a pergunta é mais importante do que a resposta.

Keep the Faith!

I believe in change!

 

Posted in Colaboração, criatividade, Empreendedorismo, Gestão 2.0, Gestão de mudanças, Gestão de pessoas, Gestão do Conhecimento, Inovação, liderança, Uncategorized | Etiquetado: , , , , , | Leave a Comment »

MiniMáxima da Semana

Posted by Marcelão em novembro 12, 2018


“Liderança é aceitar a responsabilidade de permitir que outros atinjam objetivos compartilhados sob condições de incerteza” John Maeda – Designer

Posted in criatividade, Empreendedorismo, Gestão 2.0, Gestão do Conhecimento, Inovação, liderança, Uncategorized | Etiquetado: , , , , , , | Leave a Comment »

MiniMáxima da Semana

Posted by Marcelão em novembro 5, 2018


“Para ser original, você não precisa ser o primeiro. Você só precisa ser diferente e melhor” Adam Grant – Psicólogo Organizacional

Posted in criatividade, Empreendedorismo, Gestão 2.0, Gestão de mudanças, Gestão do Conhecimento, Inovação, Uncategorized | Etiquetado: , , , , , | Leave a Comment »

Pensamento Biológico

Posted by Marcelão em outubro 31, 2018


double-exposure-boy-city-student-using-digital-tablet-skyline-background-young-skyscraper-view-modern-new-technology-50353908

PessoALL,

em vários dos posts desse blog eu abordo a questão que tanto nós como pessoas como as empresas precisam procurar desenvolver sistemas e modelos de pensamento que possam enfrentar os desafios de um mundo em constante mudança.

Nesse sentido, Martin Reeves, Consultor da Boston Consulting Groups, realizou alguns estudos no campo da biologia para entender como princípios da natureza conseguem manter sistemas inteiros vivos por longo períodos de tempo com uma pergunta em mente: “O que torna esses sistemas duradouros e resilientes?”

Baseado nisso, e fazendo uma analogia bastante criativa com o sistema imunológico humano, ele identificou 6 princípios presentes nesses sistemas:

Redundância: É aquela velha história: Quem tem um, não tem nenhum. Importante que as empresas analisem sua cadeia produtiva e de valor e identifique pontos onde há a dependência de um único agente produtivo como, por exemplo, um fornecedor. No plano pessoal, na sua carreira é sempre bom ter um plano B ou ficar atento a oportunidades que possam aparecer. Ele citou o caso da Toyota, cujo fornecedor de válvulas para sistemas de frenagem teve sua fábrica atingida por um incêndio, mas em 5 dias a Toyota retomou a produção de carros porque gerenciava de forma colaborativa sua rede de fornecedores e conseguiu rapidamente retomar a produção;

Diversidade: Esse princípio já abordei em vários posts aqui. O mundo e os problemas são complexos demais para serem analisados por uma única perspectiva. Por ser complexo, traz consigo variáveis de diversos tipos e que exigem um olhar com uma variedade maior de campos de conhecimento. Somente a diversidade de abordagens diferentes pode lidar com qualquer coisa que a evolução e a mudança constante tenha gerado. Como sempre escrevo, o antídoto para a complexidade é a diversidade;

Modularidade: É como se constrói uma plataforma para receber componentes diferentes. Basta olhar para o iPhone. Mais do que um produto inovador, ele é na verdade uma plataforma para conexão de outros produtos. Trata-se de como facilitar a colaboração em diversos níveis;

Adaptabilidade: Como disse Darwin: “Não são as espécies mais fortes que sobrevivem, nem as mais inteligentes, e sim as mais suscetíveis a mudança”. Adaptabilidade é o nome do jogo da sobrevivência; Continue lendo »

Posted in Colaboração, criatividade, Empreendedorismo, Gestão 2.0, Gestão de mudanças, Gestão de pessoas, Gestão do Conhecimento, Inovação, Nova Economia, Planejamento Estratégico, tendências da tecnologia da informação, Uncategorized | Etiquetado: , , , , , , , , , | Leave a Comment »

MiniMáxima da Semana

Posted by Marcelão em agosto 27, 2018


“Pensar Grande, Começar Pequeno e Evoluir Rápido” Toslstoi

Posted in Colaboração, criatividade, Empreendedorismo, Gestão 2.0, Gestão de mudanças, Inovação, liderança, Nova Economia, Uncategorized | Etiquetado: , , , , , | Leave a Comment »

MiniMáxima da Semana

Posted by Marcelão em julho 30, 2018


“Aprendi que coragem não é a ausência de medo, mas o triunfo sobre isso. O Homem corajoso não é aquele que não sente medo, mas aquele que domina esse medo” Nelson Mandela

Posted in criatividade, Empreendedorismo, Gestão 2.0, Gestão de pessoas, Inovação, liderança, Uncategorized | Etiquetado: , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Aprendendo a Aprender

Posted by Marcelão em julho 18, 2018


PessoALL,

é de conhecimento da grande maioria dos profissionais que vivemos uma época em que a única certeza é a mudança constante. Eu diria até que é mais que isso, não é uma época de mudança, mas sim uma mudança de época, e acrescentaria que é uma mudança veloz de época.

Nesse sentido, os profissionais que quiserem manter-se alinhados e conectados com essa mudança veloz de época precisam a desenvolver a habilidade de aprender, mais do que isso, precisam aprender a aprender e a desaprender.

Baseado nesse conceito, a Harvard Business Review publicou um artigo muito interessante sobre como criar uma cultura de aprendizagem nas equipes. São quatro recomendações baseadas em ciência para ajudar os líderes das empresas na criação dessa cultura com seus times. Vamos a elas com meus comentários:

Recompense o aprendizado contínuo – É impossível desencadear mudanças deliberadas na cultura de sua equipe ou organização, a menos que você realmente implemente sistemas formais de recompensa para atraí-los – e mesmo assim não há garantia de que você conseguirá mudanças a menos que as recompensas sejam efetivas. Infelizmente, mesmo quando os gerentes entendem a importância de aprender – pelo menos em teoria – eles estão mais interessados ​​em impulsionar resultados e desempenho de curto prazo, que podem ser inimigos da aprendizagem.  Da mesma forma, é difícil para os funcionários encontrar tempo e espaço necessários para aprender quando são solicitados a maximizar os resultados, a eficiência e a produtividade. Note que a curiosidade recompensadora não é apenas elogiar e promover aqueles que demonstram um esforço para aprender e desenvolver; é também sobre a criação de um clima que estimula o pensamento crítico, no qual a autoridade e o discurso desafiadores são encorajados, mesmo que isso signifique criar discórdia. Isso é particularmente importante se você quiser que sua equipe produza algo inovador, pois o pensamento critico e o conflito são faíscas da inovação. Vale aqui citar a boa prática do Google, que estimula seus funcionários a dedicar 20% do seu tempo para projetos pessoais. Ao estimular esse tipo de atitude, o Google consegue gerar respostas novas para perguntas velhas ou perguntas novas que ainda não foram feitas. Lembrando que resposta é manutenção e pergunta é inovação; Continue lendo »

Posted in Colaboração, criatividade, Empreendedorismo, Gestão 2.0, Gestão de mudanças, Gestão de pessoas, Gestão do Conhecimento, Inovação, liderança, Uncategorized | Etiquetado: , , , , , , , , , | Leave a Comment »

MiniMáxima da Semana

Posted by Marcelão em julho 16, 2018


“Ao duvidar, nós duvidamos, e ao investigar, descobrimos novas ideias. Duvide de tudo e de todos o tempo todo – especialmente de você mesmo” Rod Judkins – do livro “A Arte da Criatividade”

Posted in criatividade, Empreendedorismo, Gestão 2.0, Gestão de mudanças, Gestão do Conhecimento, Inovação, Uncategorized | Etiquetado: , , , , , | Leave a Comment »

MiniMáxima da Semana

Posted by Marcelão em julho 9, 2018


“Intuição é o sussuro da alma” Kiddu Krishnamurti – Filósofo Indiano

Posted in criatividade, Empreendedorismo, Gestão 2.0, Gestão de pessoas, Gestão do Conhecimento, Inovação, liderança, Uncategorized | Etiquetado: , , , , , | Leave a Comment »

 
%d blogueiros gostam disto: