Blog do Marcelão

Blog para debate sobre excelência na gestão.

Tendências da TI: 10 Tendências que exigem mudanças nas empresas

Posted by marcelao em agosto 8, 2010


Pessoal,

a McKinsey Quartely, jornal de negócios da McKinsey & Company, divulgou artigo em que relaciona 10 tendências de tecnologia que devem estar no radar dos estrategistas das empresas para geração de novos modelos de negócios. O artigo faz um alerta aos altos executivos das empresas sugerindo que eles devem pensar estrategicamente sobre como preparar as organizações para o novo ambiente desafiador que se aproxima com o crescimento de tecnologias como computação em nuvem, internet das coisas, colaboração em escala e outras mais.

Eu diria que os estrategistas devem cada vez mais exercitar a habilidade de pensar em coisas impossíveis, como disse o fundador da Wired,  Kevin Kelly, em palestra que ele apresentou no TEDxAmsterdan(Veja vídeo abaixo). Para entender o que estou colocando, volte no tempo e se pergunte: será que nós imaginaríamos, a quinze anos atrás, que teríamos um mundo como ele é hoje? Será que nós pensaríamos em dispositivos móveis, tecnologia wireless (sem-fio), redes sociais como twitter e linkedin, wikipedia, internet banda larga, youtube?

Segundo o artigo da McKinsey, a tecnologia continua a evoluir rapidamente. Facebook, em pouco mais de dois curtos anos, quintuplicou de tamanho a uma rede que atinge mais de 500 milhões de usuários. Mais de 4 bilhões de pessoas ao redor do mundo já utilizam telefones celulares, e para 450 milhões de pessoas a Web é uma experiência completamente móvel. A maneira como utilizamos tecnologia, como computação em Nuvem(Cloud Computing) e virtualização, redistribuem os custos de tecnologia, criam novas formas para os indivíduos consumirem produtos e serviços e torna possível que empresários e empresas pensem em novos modelos de negócios que muitos consideram impossíveis como, por exemplo, marketing contextual.

A McKinsey também alerta que as empresas não se limitem a comprender as 10 tendências abaixo descritas. Elas precisam também pensar estrategicamente sobre como adaptar a gestão e estruturas organizacionais para atender as novas demandas proporcionadas por essas 10 tendências(veja mais sobre isso aqui), pois muitas dessas tendências exigirão a necessidade de atravessar fronteiras organizacionais tradicionais fazendo com que líderes criem conexões entre as equipes em diferentes e espalhados cantos da organização, buscando maior interdisciplinaridade de forma que toda a empresa compreenda a necessidade de explorar plenamente essas tendências. Isso implica em transformar as organizações em pequenos laboratórios capazes de testar mais rapidamente e aprender mais rapidamente em pequena escala e depois expandir o sucesso rapidamente.

Seguem abaixo as 10 tendências listadas pela McKinsey com meus comentários:

1 – Distribuído move a Co-Criação: Inspirados pelo pioneirismo da Wikipedia e um punhado de desenvolvedores de software de código aberto, a capacidade de organizar as comunidades da Web para desenvolver , comercializar produtos e serviços de apoio passou das margens da prática empresarial para o mainstream. Muitas empresas buscam aumentar esse relacionamento com as comunidades da Web com o objetivo de ampliar seu alcance e reduzir o custo de servir aos clientes. Algumas chegam a abrigar comunidades onde os clientes mais experientes dão conselhos e apoio para aqueles que precisam de ajuda. A Procter & Gamble organiza uma comunidade de mães que compartilham suas experiências de novos produtos com membros de seu circulo social. Outro exemplo que podemos relacionar aqui foi citado pela Adriana Salles Gomes, em post do blog da HSM, sobre ação da Brinquedos Estrela que detectou uma comunidade vibrante no Orkut com 3 mil fãs que pediam à marca para retornar a produção do Ferrorama(Clique aqui para ler);

2 – Transformar a organização em uma rede: Em pesquisa anterior da McKinsey, foi observado que a Web estava forçando a abertura das fronteiras organizacionais das organizações, permitindo que funcionários e não-funcionários oferecem seus conhecimentos de novas formas. McKinsey chamou essa tendência de “Explorando um mundo de talentos”. Muitas empresas estão indo além dessa fronteira construindo redes flexíveis que se extendem além das fronteiras internas e externas. Uma empresa global de serviços de energia constatou que as barreiras em torno dos silos organizacionais impedia que seus gestores acessassem os melhores talentos em toda a organização para resolver problemas críticos com soluções criativas. Por meio de análise das redes sociais existentes, a empresa mapeou os fluxos de informação e recursos de conhecimento entre seus funcionários em todo o mundo. A análise identificou vários pontos de estrangulamento. Usando tecnologias da Web, para expandir o acesso a especialistas de todo o mundo, a empresa montou comunidades de inovação entre as unidades de negócios em silos . Estas redes têm ajudado a acelerar a prestação de serviços , melhorando simultaneamente a qualidade em 48 por cento, de acordo com pesquisas da empresa. Gestão ortodoxas ainda impedem a maioria das empresas de aproveitar o talento para além do tempo integral dos trabalhadores que estão vinculados a estruturas organizacionais existentes. Nesse sentido, recomendo assistir o vídeo do Clay Shirky realizada em Cannes(Veja mais sobre isso aqui) em que ele acredita que as novas tecnologias que permitam a colaboração solta – e aproveitando a “inteligência” de reposição – vai mudar a forma como a sociedade funciona. É preciso aproveitar a inteligência coletiva existente dentro da empresa buscando o engajamento dos funcionários, clientes e parceiros de negócio em torno de uma causa nobre;

3 – Colaboração em escala: No passado, a colaboração era de pequena escala, pois uma quantidade excessiva de pessoas era excluída da circulação de conhecimento, poder e capital, e portanto, participava das margens da economia. Ela ficava restrita em pequenos territórios como comunidades, locais de trabalho e acontecia apenas entre amigos, parentes e sócios nesses locais. Com o advento da Internet e da WEB 2.0 tudo mudou, pois torna o acesso dessas pessoas a apenas um click no mouse o que coloca todas essas pessoas para participarem da inovação e da criação de riqueza em cada setor da economia. O número de pessoas que realizam trabalho de conhecimento tem crescido muito mais rapidamente do que os trabalhadores de produção de bens. Os trabalhadores do conhecimento são normalmente melhor remunerados do que outros, aumentar assim a sua produtividade é fundamental. Como resultado , há grande interesse em tecnologias de colaboração que prometem melhorar o rendimento e a eficácia desses trabalhadores. O alerta aqui é para que as empresas não esperem aumento na eficácia e no rendimento dos trabalhadores do conhecimento acreditando que a tecnologia resolve por si só. Para essas tecnologias serem eficazes, as organizações precisam de um melhor entendimento de como o trabalho do conhecimento de fato acontece . Um bom ponto de partida é mapear os caminhos informais através do qual a informação viaja , como os funcionários interagem, e onde os gargalos estão desperdiçando essa  inteligência coletiva. A longo prazo , a colaboração será um componente vital do que foi denominado ” capital organizacional”;

4 – O Crescimento da Internet das Coisas: A adoção de RFID (identificação por radiofrequência ) e tecnologias relacionadas eram a base de uma tendência que nós primeiro reconhecemos como a “expansão das fronteiras da automação. ” Mas estes métodos são rudimentares em comparação com o que emerge quando os ativos tornam-se elementos de um sistema de informação, com a capacidade de capturar , calcular , comunicar e colaborar em torno de informações que veio a ser conhecida como a “Internet das Coisas”(Veja mais sobre isso aqui). Sensores embutidos, atuadores e capacidades de comunicações , tais objetos em breve serão capazes de absorver e transmitir informações em grande escala e, em alguns casos,  adaptar-se e reagir às mudanças no ambiente automaticamente. Estes ativos “inteligentes” podem tornar os processos mais eficientes, fornecendo  novos recursos e novos modelos de negócio. Seguradoras de veiculos na Europa e nos Estados Unidos estão testando esse conceito com ofertas para instalar sensores nos veículos dos clientes. O resultado é que os modelos de precificação de novas taxas estão sendo baseados no risco na condução e comportamento e não sobre as características demográficas de um condutor;

5 – Experimentação e Volume Gigantesco de Dados: As empresas poderiam se tornar um laboratório em tempo integral ? E se você pudesse analisar cada transação , a captura de insights de cada interação com o cliente , e não ter que esperar meses para obter dados em pesquisas de campo? O volume de dados vem crescendo a taxas nunca antes vistas, dobrando a cada 18 meses (tem relação com a lei de Moore). Tecnologias para a captura e análise de informações estão amplamente disponíveis a preços cada vez mais baixos. Muitas empresas estão levando o uso desses dados para novos níveis, utilizando a TI para suportar a experimentação constante de negócio que orientem as decisões e para testar novos produtos, modelos de negócios e inovações na experiência do cliente. Em alguns casos, as novas abordagens ajudam as empresas a tomar decisões em tempo real. Esta tendência tem o potencial de conduzir a uma transformação radical na investigação , inovação e marketing. Isso exigirá o que já afirmei em outros posts – TI e Negócios não podem ser compreendidos como áreas estanques e separadas, tem que ser um só, ou seja, já nem é mais uma questão da TI ser parte do negócio. Na verdade, TI e Negócios praticamente precisam ser uma coisa só. É necessário um modelo de negócio que utilize a TI como instrumento. O Google, por exemplo, é uma empresa de software ou uma empresa de mídia? Na verdade, ele é as duas coisas. O Google é uma instituição que utiliza as novas potencialidades da TI para realizar negócios em que a publicidade é o foco. Fez isso tão bem e tão rapidamente que será muito difícil uma outra corporação ocupar o espaço que o Google ocupa atualmente;

6 – Cabeamento para um mundo sustentável: Mesmo como marcos regulatórios continuando a evoluir, gestão ambiental e sustentabilidade são temas prioritários da agenda empresarial. Além do mais , a sustentabilidade está se tornando rapidamente uma importante métrica de desempenho corporativo , que os stakeholders, incluindo até mesmo os mercados financeiros começaram a dar mais atenção. Tecnologia da informação desempenha um duplo papel neste debate : ela é uma fonte significativa de emissões para o ambiente e um fator essencial de muitas estratégias para mitigar os danos ambientais. Atualmente , a quota de tecnologia da informação na pegada ecológica do mundo está crescendo por causa da demanda crescente por  TI e serviços. A eletricidade produzida nos grandes Datacenters gera gases de efeito estufa em escala de países como a Argentina ou a Holanda, e estas emissões poderão quadruplicar até 2020. A pesquisa da McKinsey mostra, no entanto , que o uso da TI em áreas como as redes de energia inteligentes, edifícios eficientes e melhor planejamento de logística poderia eliminar cinco vezes as emissões de carbono que a indústria produz. As empresas estão dando os primeiros passos para reduzir o impacto ambiental das suas TI adotando conceitos e tecnologias como ” data center verde”, como co-criação e distribuição na Internet das Coisas, software de virtualização (Veja mais sobre isso aqui) para diminuir o número de servidores necessários para as operações  e o arrefecimento de data centers com ar ambiente para reduzir o consumo de energia e baixo custo. Nesse sentido, vale citar aqui a iniciativa da IBM “Smart Planet” que apresentei em post anterior(Veja mais sobre isso aqui). O conceito de “Planeta inteligente” tem um lema muito interessante que é “Uma demanda por mudança é uma demanda por inteligência”. Como explica o blog da empresa (clique aqui para ler), “a inteligência pode ser inserida na maneira como fabricamos e vendemos nossas mercadorias, no modo como transportamos essas mercadorias, pessoas e dinheiro e também como gerenciamos nossas empresas e países. O mundo está pronto para um planeta mais inteligente.”;

7 – Imagine Tudo como serviço: Como disse em post anterior, TI é serviço e não produto(Veja mais sobre isso aqui). Consumidores desejam pagar apenas pelo uso e, dessa forma, evitar grandes gastos , bem como as dificuldades de compra e manutenção de um produto. Na indústria de TI, o crescimento de “cloud computing “(Veja mais sobre isso aqui) exemplifica esta mudança, além de software como serviço ( SaaS) , que permite às organizações acesso a serviços como a gestão de relacionamento com clientes, são tecnologias que estão crescendo a uma taxa de 17 por cento anuais. A aceitação pelos consumidores dos serviços de cloud baseada na Web para tudo, desde e-mail até armazenamento de vídeos e fotos, tende naturalmente a tornar-se universal, e as companhias estão seguindo essa tendência;

8 – A era do modelo de negócios multilaterais: O maior exemplo desse modelo é o Google que vende publicidade oferecendo serviços de TI que permitem a busca e organizam a informação no mundo. Outro exemplo, citado no artigo da McKinsey, é a empresa Spiceworks oferece gerenciamento de aplicativos de TI para 950 mil usuários , sem qualquer custo , enquanto que recolhe a publicidade de empresas B2B que querem acesso a profissionais de TI. Quanto mais pessoas migrarem para atividades on-line , os efeitos de rede podem  ampliar o valor dos modelos de negócio multilaterais, sendo que quanto maior o número de usuários, utilizando os serviços gratuitamente, mais valioso o serviço torna-se para todos os clientes. MasterCard, por exemplo, tem construído uma unidade de consultoria que analisa os padrões de compra dos consumidores e vende resultados agregados para os comerciantes e outros que querem uma melhor leitura sobre as tendências de compra;

9 – Inovando na base da pirâmide: Essa é uma tendência baseada no livro “A Riqueza está na base da pirâmide” do professor C.K. Prahalad, falecido recentemente. A adoção de tecnologia é um fenômeno global, e a intensidade de seu uso é particularmente impressionante nos mercados emergentes. Nossa pesquisa mostrou que os modelos de negócios disruptivo surgem quando a tecnologia se combina com condições extremas de mercado , tais como a demanda dos clientes por preços muito baixos, pouca infra-estrutura , fornecedores de difícil acesso , e curvas de baixo custo para o talento. Em partes da África rural , por exemplo, os modelos tradicionais de bancos de varejo têm dificuldade em estabelecer raizes. Os consumidores têm rendimentos baixos e muitas vezes falta a documentação padrão (tais como cartões de identificação ou até mesmo endereços) obrigatórios para abrir contas bancárias. Mas Safaricom , um fornecedor de telecomunicações , oferece serviços bancários a oito milhões de africanos através do seu serviço de telefonia móvel M- PESA. Safaricom permite que uma rede de lojas e postos de gasolina, que vendem tempo de antena de telecomunicações, carreguem dinheiro virtual em telefones celulares;

10 – Expandir serviços públicos: É preciso entender que o custo de transação das empresas, como o trânsito caótico para movimentação das pessoas, cresce cada vez mais tornando-se inviável do ponto de vista macro-econômico(Veja mais sobre isso aqui) e isso tende a se agravar, uma vez que cerca de metade da população mundial vive em áreas urbanas, e essa parte é projetada para atingir 70 por cento em 2050.Políticas públicas criativas, que incorporem as novas tecnologias, poderiam ajudar a aliviar as tensões econômicas e sociais da densidade populacional. Londres , Singapura e Estocolmo têm utilizado recursos inteligentes para gerenciar o congestionamento do tráfego em seus núcleos urbanos, e muitas cidades em todo o mundo estão implementando essas tecnologias para melhorar a confiabilidade e a previsibilidade dos sistemas de transporte de massa. Da mesma forma, redes de água smart grids serão fundamentais para responder à necessidade de água limpa. sensores incorporados não podem apenas assegurar que a água que flui através de sistemas não está contaminado e segura para beber , mas também vazamentos. A plena exploração do potencial da tecnologia na esfera pública significa reimaginar a forma como os serviços públicos são criados , entregues e gerenciados. Colocar em prática essa visão requer visão de futuro e uma liderança prudente que defina metas, adote testes flexíveis e aprenda métodos e medidas de sucesso;

Será que é possível ter limites para a tecnologia? Eu diria que não há limites. Se não há limites, então temos que deixar de pensar na tecnologia como limitadora e expandir a nossa criatividade e o uso que podemos fazer dela. Afinal de contas, limite, quando falamos em termos de tecnologia, é apenas uma questão de tempo.

Diante de tudo isso, ficam 3 lições que devemos aprender e exercitar mais frequentemente: curiosidade é a coisa mais importante que temos, imaginação é uma força que pode manifestar uma realidade e o respeito do seu time é mais importante do que qualquer prêmio.

Para aproveitar ao máximo essas 10 tendências e desenhar um mapa do terreno de forma a criar valor e competir de forma eficaz nos tempos atuais desafiadores e incertos, as organizações devem implantar modelos de gestão em rede que fomentem a colaboração inovadora entre seus funcionários, clientes, parceiros de negócios. Afinal de contas, o lema do Google “Always Beta” está presente mais do que nunca. É como disse o professor Silvio Meira, que esteve conosco no Banco do Brasil na IV jornada de tecnologia : “Vivemos em um mundo em que as coisas não estão prontas, mas são funcionais”. A própria Web está passando por uma transformação contínua em que ela começou como um ambiente transacional(web 1.0), hoje é colaborativo (Web 2.0) e amanhã será de contribuição por todos nós (Web 3.0)

Um Abraço.

“Keep the Faith”

Twitter: @blogdomarcelao

P.S : Quem quiser ter acesso ao relatório completo, inclusive a vários podcasts, basta acessar o site do relatório clicando aqui.

4 Respostas to “Tendências da TI: 10 Tendências que exigem mudanças nas empresas”

  1. […] tem atravessado transformações espetaculares nos últimos anos e passará por muitas ainda(Veja mais sobre isso aqui). Enquanto no passado, a economia estava baseado na produção de bens materiais, prosperaram nas […]

  2. […] tem atravessado transformações espetaculares nos últimos anos e passará por muitas ainda(Veja mais sobre isso aqui). Enquanto no passado, a economia estava baseado na produção de bens materiais, prosperaram nas […]

  3. arthur said

    Qual dessas tendências você identifica ter maior potencial para empresas empreendedoras? E porque?

  4. Rafael said

    A comunicação digital é sem duvida a ligação direta e maior com o cliente interagindo e informando sobre a divulgação de produto e serviços. Obrigado!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: